BoosterAgro Blog

Categoria:

Tudo sobre Dessecação da Soja em Pré-colheita

dessecação soja em pré-colheita embrapa

Conheça os benefícios da dessecação da cultura da soja em fase de pré-colheita e saiba como realizar essa operação com segurança.

A soja é uma das leguminosas mais cultivadas no mundo. No Brasil, por exemplo, a sua semeadura é feita de Norte a Sul.

Porém, para um melhor aproveitamento das áreas de cultivo, é necessário colher a soja, muitas vezes a principal cultura em um ano agrícola, o quanto antes. E isso sem prejudicar a produtividade e a qualidade dos grãos e sementes.

Por isso, é feita a dessecação em pré-colheita, ou seja, é realizada a aplicação de herbicidas apropriados para antecipar a colheita da soja de cinco a nove dias. Isso permite que o produtor ganhe tempo na implantação de uma segunda safra.

Quer saber mais sobre essa operação? Quer descobrir como avaliar corretamente o ponto de colheita da soja, qual o momento adequado para realizar a dessecação em pré-colheita e quais as boas práticas nesta operação?

Então, confira a seguir!

Entendendo o ponto de colheita da cultura da soja

Os estádios de desenvolvimento da soja possuem duas fases: vegetativa e reprodutiva.

A cultura tem o seu máximo acúmulo de matéria seca, ou seja, o máximo peso e máximo vigor e germinação, na maturidade fisiológica. E esse momento corresponde ao estádio R7.

Conhecendo os estágios vegetativos da soja para saber quando realizar a dessecação em pré-colheita
Estádios vegetativos da soja (Fonte: FARIAS et al., 2007)
Conhecendo os estágios reprodutivos da soja para saber quando realizar a dessecação em pré-colheita
Estádios reprodutivos da soja (Fonte: FARIAS et al., 2007)

No R7, ocorre a finalização do enchimento dos grãos, e a vagem já está desligada da planta mãe.

Nesta fase, devido à máxima qualidade das sementes, já seria possível realizar a colheita, e, inclusive, seria o ponto ideal. 

No entanto, dois fatores importantes impedem esta operação: o alto teor de água das sementes; e a falta de uniformidade desta maturidade na lavoura. Ou seja, as plantas não alcançam a maturidade fisiológica todas ao mesmo tempo.

Por isso, muitas vezes, os produtores realizam a colheita entre o estádio R8 e R9. No estádio R9 a soja está com teor de água entre 13% e 15%, o que torna possível a colheita mecânica. 

No entanto, o produtor deve ficar atento ao teor de água (ou umidade) dos grãos e sementes considerados seguros para o armazenamento e conservação do produto, que é de 11% a 12%.

Diante disso, uma alternativa é realizar a dessecação da soja em pré-colheita.

O que é a dessecação em pré-colheita e quando ela é indicada para a soja?

A dessecação da soja em pré-colheita é uma operação realizada com herbicidas que aceleram a senescência e secagem das folhas de soja para que possa ser feita a colheita antecipada o mais próximo possível de sua maturidade fisiológica (R7).

A antecipação da colheita permite um plantio mais rápido da cultura de segunda safra na área.

Além disso, esse processo também colabora para o controle de algumas plantas daninhas presentes na lavoura.

Vale destacar que, o controle das plantas daninhas em fase de plântula (após a emergência) é fundamental, pois em algumas situações, o controle após este momento não é efetivo.

Nesta prática, é possível usar diferentes herbicidas dessecantes ou desfolhantes, que aceleram a maturação, causando rápida perda de água das sementes, secagem e queda de folhas da cultura.

Quando recomenda-se a dessecação da soja?

Recomenda-se a prática da dessecação, principalmente, em quatro situações. Quando:

  1. Há grande retenção foliar das plantas de soja;
  1. A maturação é visualmente desuniforme;
  1. Observam-se plantas de soja com haste verde;
  1. Quando no momento ou próximo ao momento de colheita podem ser encontradas plantas daninhas verdes na área;

Quais os benefícios da dessecação em pré-colheita para a soja?

A prática da dessecação em pré-colheita pode trazer diversos benefícios aos produtores, desde que se realize a operação no estádio de desenvolvimento correto e com o produto adequado.

No entanto, é preciso tomar ainda mais cuidado quando a lavoura é destinada à produção de sementes.

Alguns dos benefícios da dessecação em pré-colheita incluem:

  • Maior eficiência na colheita;
  • Maior uniformidade de maturação das plantas na lavoura;
  • Possibilidade de planejamento ou escalonamento da colheita em função da disponibilidade de máquinas, mão de obra e estruturas de armazenamento;
  • Controle antecipado de plantas daninhas jovens e adultas na área de cultivo, reduzindo, inclusive, a possibilidade das mesmas produzirem sementes;
  • Menor teor de impurezas (vale destacar que isso é usado como critério de desconto no valor de comercialização dos grãos);
  • Rápida redução da umidade ou teor de água das sementes ou grãos;
  • Redução do tempo de exposição da soja à pragas e doenças, o que colabora também na diminuição dos danos causados por estes organismos aos grãos;
  • Melhor qualidade de sementes pela colheita ser mais próxima ao período de maturidade fisiológica, correspondente ao maior acúmulo de matéria seca, maior vigor e germinação das sementes;
  • Melhor qualidade sanitária, pela redução rápida do teor de água das sementes e grãos, associada a menor exposição a fatores climáticos adversos: umidade relativa do ar e temperatura favoráveis ao desenvolvimento de fungos.

Cuidados na dessecação da soja

Com a proibição do uso do paraquat, alternativas para aplicação na dessecação da cultura da soja incluem os herbicidas: diquat; glufosinato de amônio; carfentrazona-etílica; saflufenacil; e o glifosato.

Todos apresentam resultados diferentes em função:

  • Da época em que são aplicados, ou seja, o estádio reprodutivo em que a planta está, podendo ser em R6 ou R7, sendo este último o mais recomendado;
  • E da cultivar, devido ao seu hábito de crescimento determinado ou indeterminado.

Desta forma, é sempre necessário consultar um engenheiro agrônomo para obter as melhores recomendações e que levem em conta: a época; a dose; o princípio ativo do herbicida; o monitoramento do clima; e a cultivar presente na lavoura. Assim, evitando prejuízos.

Isso porque, a aplicação em época, dose e herbicida inadequado, pode reduzir a produtividade e a qualidade fisiológica, química e sanitária das sementes, bem como alterar a composição química dos grãos. E se feita de forma muito antecipada, pode reduzir o tempo de enchimento das sementes.

Além disso, aplicações muito antecipadas podem influenciar negativamente no extrato etéreo (gordura) dos grãos, uma das características químicas importantes para o processamento industrial.

Também é preciso ficar de olho nas previsões climáticas. Isso porque, é importante evitar esta operação em épocas de chuvas posteriores à aplicação, pois elas prejudicam a eficiência da pulverização, além de atrapalhar a secagem rápida das sementes.

Por fim, é importante lembrar que, embora alguns estudos apontem que a dessecação em R6 não altere a produtividade da lavoura, neste estádio, a planta ainda está em fase de enchimento de grãos, ou seja, ainda não atingiu o seu máximo acúmulo de matéria seca.

Boas práticas na aplicação de dessecação em pré-colheita

Veja, a seguir, quais são as boas práticas durante a aplicação dos herbicidas para dessecação em pré-colheita e quais características o produto escolhido precisa ter.

Boas práticas na dessecação da soja

  • Aplicação em R7, R7.2, conforme critérios de recomendação desta prática, anteriormente descritos;
  • Monitoramento das previsões climáticas para os dias após a aplicação: é importante não haver chuvas nos dias seguintes à pulverização;
  • Planejamento do melhor herbicida ou associação de produtos que pode ser usado na cultivar ou cultivares presentes na área e que traga a melhor relação custo/benefício, inclusive no controle das plantas daninhas;
  • Observação do tempo residual do herbicida e a sua seletividade em relação à cultura cultivada na sequência;
  • Planejamento antecipado da área, para implantação rápida da cultura seguinte a fim de otimizar as operações e o aproveitamento da área.

Características que os herbicidas utilizados na dessecação em pré-colheita devem ter

  • Não devem ter a capacidade de se translocar entre as partes da planta;
  • Precisam levar à rápida senescência (morte) das plantas, sem que ocorra alterações nas suas características normais (principalmente sem causar efeito fitotóxico);
  • Não podem se acumular nos grãos ou sementes, pois desta forma podem afetar a taxa de germinação, vigor de sementes e alterações químicas em grãos.

Conclusão

A dessecação em pré-colheita para a soja é uma alternativa eficiente para reduzir rapidamente a umidade dos grãos e sementes, permitindo assim a colheita o mais próximo possível do ponto de maturidade fisiológica.

No entanto, é preciso observar algumas características, principalmente o tipo de herbicida empregado, em função das cultivares implantadas na área, dose e estádio reprodutivo.

Isso porque, aplicações muito antecipadas podem reduzir significativamente a produtividade da cultura. 

Além disso, é preciso estar atento se o herbicida usado e o seu residual podem afetar de alguma forma a cultura posterior.

Por isso, consulte sempre um profissional para recomendações mais adequadas!

Leia também:

Como será o Preço da Soja na safra 2021/2022?

Aplicação de defensivos agrícolas: cuidados essenciais

Conheça os 10 principais modos de ação dos herbicidas

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Conteúdos relacionados

Simplifique seu dia a dia no campo com nosso app!
Posts recentes

Quer receber os conteúdos por Whatsapp?