BoosterAgro Blog

Categoria:

Seguro Rural: O que é e como contratar

seguro rural

O seguro rural é uma ferramenta essencial para a gestão agrícola e tem passado por mudanças para tornar suas regras mais simples e elevar os seus limites financeiros

O agronegócio é uma atividade de alto risco por conta das adversidades climáticas (intensificadas com o aquecimento global), pragas e doenças e oscilações de mercado.  

Por isso, o seguro é muito importante para que seja feita uma gestão eficiente da fazenda, com mitigação de prejuízos, estabilidade de renda e permanência do produtor na atividade.

O seguro rural é um dos principais mecanismos de proteção de renda da atividade agrícola, pois atua como forma de transferência dos riscos para outros agentes e setores econômicos.

Devido à sua relevância, o Governo Federal simplificou, em 2021, as regras e aumentou os limites financeiros para contratação do seguro.

Saiba mais neste artigo!

O que é o seguro rural? 

O seguro rural é uma política pública do Governo Federal voltada para o setor agrícola e que ao longo de décadas tem passado por diversas mudanças, visando o seu aperfeiçoamento.

Assim, o principal objetivo do seguro rural é reduzir os riscos da atividade agrícola que depende, para o seu sucesso, de condições climáticas e de mercado ideais, rigoroso controle fitossanitário e estrutura para beneficiamento, armazenagem, comercialização e transporte.

O seguro rural no Brasil tem origem no Seguro Agrário, criado pela Lei nº 2.168, de 11 de janeiro de 1954, e “destinado à preservação das colheitas e rebanho contra eventualidades de riscos que lhe são peculiares”.

Além disso, a mesma lei também criou a CNSA (Companhia Nacional de Seguro Agrícola), empresa pública de economia mista, para desenvolver o Seguro Agrário, e instituiu o FESA (Fundo de Estabilidade do Seguro Agrário).

Atualmente, as diretrizes do seguro rural, após várias modificações, estão na Lei 10.823, de 19 de dezembro de 2003, que criou o PSR (Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural) e o PTSR (Plano Trienal do Seguro Rural).

Em 2021, o Governo Federal disponibilizou um orçamento de R$ 948,1 milhões para o PSR e para 2022 a quantia é de R$ 1 bilhão. Veja mais detalhes no quadro abaixo:

No é possível ver que que orçamento para o seguro rural cresce desde 2018
O quadro mostra que orçamento para o seguro rural cresce desde 2018 (Fonte: Mapa

Assim, com o orçamento de 2022, o Governo Federal pretende contratar cerca de 158.500 apólices e proteger 10,7 milhões de hectares, com valor total segurado de R$ 55,4 bilhões.

Como contratar o seguro rural?

A contratação de uma apólice deve atender às regras do PSR e do PTSR.

Contudo, antes de tentar conseguir contratar uma apólice, é preciso saber qual tipo de seguro deseja. Veja, então, quais são os tipos de seguro rural:

  • Seguro Pecuário;
  • Seguro Agrícola;
  • De penhor rural;
  • Aquícola;
  • De benfeitorias e produtos agropecuários;
  • Seguro de vida do produtor rural;
  • De florestas;
  • Seguro de cédula do produtor rural.     

Em 2021, o Governo Federal mudou as regras para contratação do seguro rural, válidas para o triênio 2022-2024, com vistas à simplificação e para que mais produtores rurais possam ter acesso ao programa.

Veja como eram as regras do PSR em 2021, com subvenções ao prêmio de 20%, 25%, 30%, 35% e 40%:

Regras anteriores para o seguro rural
Regras anteriores foram alteradas (Fonte: Mapa)

 Agora, as novas regras do PTSR, mais simplificadas, com subvenções de 20% e 40%:

Novas regras para o seguro rural
A simplificação visa atender a mais produtores (Fonte: Mapa) 

A apólice do seguro rural pode ser contratada por produtor rural pessoa física ou jurídica que cultive as espécies contempladas pelo programa.

Para isso, é necessário procurar uma seguradora habilitada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) no Programa de Subvenção. 

Além disso, é preciso seguir também essas etapas:

  • Formalizar a proposta do seguro numa seguradora;
  • Aguardar a resposta do Mapa sobre a proposta, que deve ser enviada pela seguradora;
  • Caso haja aprovação, o Mapa paga o percentual do prêmio para a seguradora.

Por fim, é importante destacar que o produtor precisa estar regular junto ao Cadin (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal).

De acordo com o Governo Federal, o prazo para recebimento da indenização sai no máximo em 30 dias, contados a partir do cumprimento de todas as exigências.

Como a tecnologia tem facilitado o acesso ao seguro rural

Para facilitar o entendimento sobre o PSR, o Governo Federal disponibilizou um aplicativo que pode ser baixado na versão Android ou iOS.  

O aplicativo possibilita que o produtor acesse informações sobre o seguro de forma consultiva, contudo, não é possível fazer negociações ou contratações.

No entanto, é possível fazer simulações de indenizações. Então, veja abaixo as principais funcionalidades do aplicativo:  

  • Acesso ao Guia de Seguros Rurais, que explica como funciona o PSR, com simulação de indenizações;
  • Consulta às regras de subvenção, da legislação e das informações do PSR;
  • Há uma área de dicas de direitos e deveres sobre o seguro rural, nela é possível saber o que fazer: antes de contratar o seguro rural; ou ao informar a ocorrência de um sinistro; ou sobre o laudo de inspeção de danos e o recebimento de indenizações;
  • Verificação da evolução anual dos principais parâmetros do PSR;
  • Acesso ao Atlas do Seguro Rural, onde é possível fazer pesquisas com os dados do programa e dos relatórios estatísticos do PSR;
  • Acesso a informações meteorológicas (Inmet), dos custos de produção (Conab), bem como da produção agrícola brasileira (IBGE);

Além do aplicativo do PSR, é importante que você tenha também instalado em seu celular o aplicativo do Zarc (Zoneamento Agrícola de Risco Climático).

Desenvolvido pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), o Zarc é um instrumento científico obrigatório para conseguir acessar o seguro rural.

Isso porque, ele contém informações sobre risco climático, tipos de solo e janelas de plantio para diversas culturas, separadas por município.

Conclusão

O seguro rural, como ferramenta para mitigação dos riscos na atividade agropecuária, é de grande importância, sobretudo para favorecer a sua permanência no setor.

Com ele, o produtor pode suprimir um eventual prejuízo. Além disso, em tempos de aumento do aquecimento global, são diversos os riscos a que estão submetidos o setor agrícola.

Assim, o ideal é que o produtor contrate uma seguradora para ter a melhor orientação e fazer um projeto de acordo com as necessidades da sua fazenda.  

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Conteúdos relacionados

Simplifique seu dia a dia no campo com nosso app!
Posts recentes

Quer receber os conteúdos por Whatsapp?